IEF e Renctas realizam exposição em aeroporto como estímulo à preservação da biodiversidade

Imprimir

Com o objetivo de sensibilizar e conscientizar sobre os danos do comércio ilegal de animais silvestres e estimular a preservação da biodiversidade no Estado de Minas Gerais, o Instituto Estadual de Florestas (IEF), em parceria com a Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres (Renctas) e a Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero) inauguram no dia 10 de setembro, no Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins/MG, a exposição educativa sobre o comércio ilegal da fauna silvestre, “Humano e Selvagem - o limite da distância”.

A exposição faz parte da Campanha Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres nos aeroportos e irá acontecer no saguão principal do aeroporto de Confins. No espaço, o público poderá assistir a vídeos ambientais, tirar dúvidas sobre a biodiversidade de Minas Gerais e receber materiais educativos. Também estarão expostas no aeroporto de Confins fotos de animais apreendidos e objetos usados por caçadores e traficantes para o transporte e venda de espécies.

Segundo o gerente de proteção à fauna, flora e bioprospecção do IEF, Miguel Ribon Júnior, Minas tem uma rica biodiversidade, que é cobiçada pelos traficantes de animais silvestres e, em muitos casos, os aeroportos são utilizados para este tipo de atividade criminosa. “A exposição é uma ferramenta importante para o combate do comércio ilegal de animais silvestres, pois é um trabalho que envolve educação ambiental, participação e colaboração dos diversos segmentos da sociedade”, afirma.

A Campanha Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres nos aeroportos acontece até o dia 14 de outubro. O Aeroporto Internacional Tancredo Neves é o quinto aeroporto a receber a Campanha. Depois de Confins, a exposição para Recife, Salvador e, em seguida, Curitiba.

Tráfico de animais em Minas

Em Minas Gerais, as principais rotas do tráfico de animais são as regiões que fazem fronteira com outros Estados, como o Triângulo Mineiro, o Nordeste, a Zona da Mata e o Noroeste. De acordo com o Diagnóstico do Tráfico de Animais Silvestres na Mata Atlântica - Corredores Central e Serra do Mar, elaborado pelo Renctas, as espécies  de mamíferos mais apreendidas em Minas são: gambás (30,8%); sagüis-de-tufo-branco (15,7%), capivaras (12,8%) e tatus (10,1%). Entre as aves, o canário-da-terra representa 35,3% da espécies apreendidas no Estado, seguida pelas aves do gênero Sporophila e pelo trinca-ferro, com 22,5 e 15,3%, respectivamente. Os répteis mais cobiçados pelo tráfico são o jabuti-piranga (63%), seguido pela cascavel (14,5%) e jararaca (7,7%).

“A lógica do tráfico é cruel: quanto mais ameaçada de extinção for a espécie, maior será o valor que ela alcançará no mercado ilegal”, afirma o coordenador-executivo da Renctas, Raulff Lima. De acordo com o coordenador, a captura de animais para comercialização ilegal consiste em uma das maiores agressões à manutenção da biodiversidade, colocando espécies brasileiras nativas sob risco de desaparecimento.

Segundo o Diagnóstico do Tráfico de Animais Silvestres, 26,4% dos animais apreendidos em Minas Gerais são destinados para o Centro de Triagem de Animais Silvestres  (Cetas), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). 24,4% são reintroduzidos em seus hábitats, 14% são destinados a zoológicos e 8% para criadouros. Os outros 27% são incinerados ou doados para coleções de museus. “O comércio ilegal da vida selvagem é a terceira maior atividade ilícita do mundo, só perdendo para o tráfico de armas e de drogas. Estima-se que movimente entre 10 a 20 bilhões de dólares por ano em todo o planeta e o Brasil participa com cerca de 10 a 15% deste valor”, finaliza Raulff Lima. 

Programação - Exposição “Humano e Selvagem - o limite da distância”10:30h

15h - Entrevista coletiva do Secretário Estadual de Meio Ambiente, Sr. José Carlos Carvalho, do Superintendente da INFRAERO, Sr. José Wilson Massa e do Coordenador Geral da RENCTAS, Dener Giovanini.

15h30 – Inauguração da EXPOSIÇÃO SOBRE O COMBATE AO TRÁFICO DE ANIMAIS SILVESTRES (apresentação para o público e imprensa de fotos do tráfico, vídeo educativo, coleção de peles de animais e artefatos apreendidos e distribuição de material para a imprensa).

16h – Café da tarde para a imprensa e convidados.