Ir para o menu| Ir para Conteúdo| Acessibilidade Alternar Contraste | Maior Constraste| Menor Contraste

Instituto Estadual de Florestas - IEF

Parque Estadual Florestal da Baleia

PDFImprimirE-mail


Legislação:
• Decreto Estadual nº 10.232, de 27 de janeiro de 1932 – Cria um jardim botânico na fazenda da baleia;
• Lei Estadual nº 8.022, de 23 de julho de 1981 - Autoriza a criação do Parque Florestal Estadual da Baleia;
Decreto Estadual nº 28.162, de 6 de julho de 1988 – Cria o Parque Florestal Estadual da Baleia.
Área: 102 hectares, conforme Lei e Decreto Estadual.

Município de Abrangência: Belo Horizonte

A origem do Parque Estadual Floresta da Baleia (PE Baleia), está relacionada ao Decreto Estadual nº 10.232, de 27 de janeiro de 1932, que cria o Jardim Botânico na Fazenda da Baleia, no município de Belo Horizonte, com o objetivo de estudar a flora mineira e aclimatação de plantas de valor econômico. Este Decreto, além do Jardim Botânico, prevê que serão definidas, em terras devolutas, zonas de vegetação típica ou endêmica, com no mínimo 1 km², destinadas a estudos ecológicos e fitogeográficos, criando, deste modo, as primeiras áreas protegidas no estado mineiro. Posteriormente, a sua criação foi autorizada pela publicação da Lei Estadual nº 8.022, de 23 de julho de 1981, sendo regulamentado em 1988 pelo Decreto Estadual nº 28.162/88, com a finalidade de resguardar o patrimônio florestal e paisagístico de Belo Horizonte e oferecer à população possibilidades de recreação e lazer.


Segundo relatos da comunidade o PE Baleia possui esse nome, pois existe na unidade de conservação uma formação rochosa que lembra o corpo de uma baleia. Situado no bioma Mata Atlântica, em faixa de transição com o bioma Cerrado, apresenta grande diversidade de ambientes naturais, determinada principalmente por suas características litológicas e pedológicas. Entre as tipologias da flora observadas no parque estão: O campo rupestre nas maiores altitudes; Mata de Galeria ou remanescentes de Floresta Estacional Semidecidual (Mata Atlântica) no fundo dos vales altamente declivosos. Nas encostas, os fragmentos florestais vão sendo substituídos gradativamente pela savana Gramíneo-Lenhosa. À medida que a altitude aumenta, as espécies arbóreas e arbustivas vão se tornando mais escassas e a paisagem vai adquirindo uma fisionomia campestre, dominada por espécies herbácease subarbustivas.


Localizado na base da Serra do Curral, símbolo da capital mineira, faz divisa com o Parque Municipal das Mangabeiras, além de estar inserido dentro da zona de amortecimento do Parque Estadual da Serra do Rola Moça e no interior dos limites da Área de Proteção Ambiental Estadual Sul RMBH, compondo assim, um corredor ecológico de expressivo valor ambiental na região metropolitana.

                                                                                                                
Este atualmente se encontra sob a administração do Instituto Estadual de Florestas – IEF, autarquia responsável por coordenar, orientar, desenvolver, promover e supervisionar a execução de ações e pesquisas relativas à manutenção do equilíbrio ecológico e à proteção da biodiversidade no Estado de Minas Gerais, e possui parcerias com a Fundação Benjamin Guimarães (FUNDAMIG), Fundação de Parques Municipais da Prefeitura de Belo Horizonte, Brigada 1.

REGULAMENTO DOS PARQUES ESTADUAIS


De acordo com o Art. 12 do DECRETO Estadual 21724, DE 23/11/1981:
Não serão permitidos dentro das áreas dos Parques Estaduais:
1. Exploração das riquezas e dos recursos naturais;
2. A coleta de frutos, sementes, raízes, cascas e folhas;
3. O corte de árvores, arbustos e demais formas de vegetação;
4. A perseguição, apanha, aprisionamento e abate de exemplares da fauna, a caça ou pesca esportiva ou amadorística, bem como qualquer atividade que venha a afetar a vida animal em seu meio natural, ainda que para efeito de controle da superpopulação animal;
5. O fornecimento de alimentação de qualquer tipo aos animais da fauna, para não promover a sua dependência ao homem;
6. A introdução de espécie estranha aos ecossistemas protegidos, ou de animal doméstico, domesticado ou amansado, seja aborígene ou alienígena;
7. O abandono de lixo, detritos, dejetos ou outros materiais que maculem a integridade paisagística, sanitária ou cênica do parque;
8. A prática de qualquer ato que possa provocar fogo, salvo quando usado como técnica de manejo, de acordo com o respectivo plano;
9. A colocação de placa, aviso, sinal, tapume ou qualquer outra forma de comunicação audiovisual ou de publicidade que não tenha relação direta com o programa interpretativo do parque;
10. O uso de veículo, a não ser na Zona de Uso Especial e na Zona de uso Intensivo;

VISITAÇÃO


O Parque pode ser visitado durante todo o ano, de segunda a sexta, de 8 às 16 horas, mediante agendamento prévio junto ao IEF, com a administração do parque. Ele não possui área de camping e sua visitação deve ser feita no período diurno.

RECOMENDAÇÕES E ORIENTAÇÕES


Antes da caminhada:
Saiba se você tem o preparo físico adequado para percorrer as trilhas do PE Baleia. Caminhar no cerrado, mesmo com tempo nublado, é uma atividade muito desgastante.
Tome um café da manhã bem reforçado. Mesmo que você não esteja acostumado a comer logo pela manhã, faça um esforço, pois as caminhadas exigirão muito de você, por isso é bom estar preparado.
Leve água potável e prepare um lanche, mas evite vasilhames de vidro ou enlatados. Prefira alimentos leves como frutas, castanhas, sanduíches (sem maionese), banana e uva desidratada.
Utilize roupas adequadas, boné e tênis ou outro calçado fechado. Chinelos e sandálias abertas não combinam com trilhas e, se arrebentarem, tornarão sua experiência desagradável.
Leve protetor solar e repelente.
Leve seus remédios de usos específicos, como antialérgicos, e de uso controlado, como pressão, asma e outros.
Na época das chuvas, traga uma capa de chuva e roupa reserva para trocar após o passeio. Dica: embale roupas e equipamentos eletrônicos em um saco estanque para mantê-los secos.
Durante a caminhada:
Siga as normas e as orientações dos funcionários do Parque, condutores de visitantes e bombeiros.
Não alimente os animais.
Observe, mas não recolha flores e pedras dos locais que você está visitando, nem moleste os animais.
Todo lixo que você produzir deverá ser trazido de volta à cidade, inclusive o lixo orgânico.
Atividades em ambientes naturais envolvem riscos, portanto, aja com moderação. Evite atitudes que possam causar acidente, como subir em pedras ou árvores. Lembre-se: VOCÊ É O PRINCIPAL RESPONSÁVEL POR SUA SEGURANÇA!

CONTATOS


Sede Administrativa: Rua Espírito Santo, 495, Centro, 5º andar, Belo Horizonte/MG, CEP 30.160-030
Telefone: (31) 3228.7782
E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.


COMO CHEGAR


Sede do Parque:
Rua Juramento, 1464, Saudade, Belo Horizonte/MG, CEP 30.285-000
Coordenadas Geográficas: 19°56’08,78”S; 43°53’27,29” O (datum WGS 84)
Linhas de ônibus:
9201: Baleia – Nova Granada 
901: Circular Leste 
9031: Nossa Senhora de Fátima – Centro 
Trajeto: Praça Sete de Setembro – Sede do Parque 

IEF|

Rodovia João Paulo II, 4143, Bairro Serra Verde - CEP 31630-900
Todos os direitos reservados - Aspectos legais e responsabilidades